O que é Ensino Híbrido?

Conheça melhor as características dessa metodologia que mistura o ensino tradicional com o online.

O ensino híbrido é um método alternativo de ensino que surgiu junto com as novas tecnologias educacionais e está em alta em vários contextos de aprendizagem.

Seu principal objetivo no início era solucionar os problemas de alunos que talvez tenham dificuldade de acompanhar uma aula expositiva tradicional seja por falta de tempo ou pela distância até a instituição de ensino.

Porém, aos poucos, foi-se percebendo que essa não era a única vantagem do ensino híbrido, já que tanto alunos quanto professores podem se beneficiar com a educação a distância.

Quer entender quais são suas principais características?

Continue com a gente!

O que é ensino híbrido?

O ensino híbrido, como o próprio nome diz, é um método educacional que mescla o ensino a distância com o ensino tradicional, trazendo aspectos positivos de cada uma dessas modalidades e maximizando a eficiência geral da aprendizagem.

Esse tipo de ensino pode se dar de duas maneiras:

Modelo disruptivo

Aqui, a maior parte das aulas é apresentada utilizando uma plataforma EAD, que disponibiliza o curso em formato de vídeos, permitindo que o aluno acompanhe a matéria de onde estiver.

Pode ser que também ocorram alguns encontros presenciais nos quais alunos e professores se reúnem para discutir algum tópico, realizar uma atividade especial ou até mesmo fazer uma avaliação. Porém, esse tipo de encontro é pontual, ou seja, não acontece com muita frequência.

Modelo sustentado

Esse é o tipo mais comum e talvez mais conhecido principalmente por ser muito utilizado em instituições de ensino superior.

O modelo sustentado é aquele que conserva as características do ensino tradicional e a maioria das aulas são assistidas presencialmente, mas com a utilização de equipamentos que permitem realizar atividades online tanto fora da sala de aula quanto dentro dela.

Entre os modelos sustentados, há 4 tipos que se destacam mais, que são:

1. Modelo de rotação por estações

Nesse modelo, a sala é dividida em estações de trabalho e cada uma delas tem uma função específica, mas que, em conjunto, conseguem atingir um objetivo em comum.

No modelo de rotação por estações, cada um dos alunos (ou grupo deles) trabalham em diferentes estações. Após um tempo, há uma troca entre os alunos e cada um deles deve passar, durante o processo inteiro, por todas as estações.

Como é um modelo híbrido, pelo menos uma dessas estações deve ser online.

2. Modelo de laboratório rotacional

Esse modelo proposto é realizado do seguinte modo:

Divide-se o grupo de estudos em duas categorias:

  1. Alunos que farão primeiro a matéria prática;
  2. Alunos que farão primeiro a parte teórica.

Depois disso, ambos os grupos realizam as matérias para as quais eles foram designados.

Depois de um tempo, cada grupo inverte a sua função e os que fizeram a parte teórica irão para a parte prática e vice-versa.

Desse modo, todos aprendem do mesmo jeito, sempre visando diferentes modos de chegar na mesma conclusão. O mesmo tema fica, portanto, claro aos dois grupos de estudantes que aprendem de dois modos diferentes.

Para ilustrar, um exemplo comum é o de aulas de educação física.

A maior parte das aulas de educação física em uma escola tradicional podem ser dadas na prática e na teoria. Porém, saber a teoria de um jogo e suas regras é tão importante quanto jogá-lo e ter a experiência de como funcionam essas regras.

Então, se você estiver ensinando handebol, pode ter um grupo de alunos aprendendo as técnicas do jogo enquanto o outro realiza a atividade prática e, na outra semana, pode inverter os grupos.

3. Modelo de rotação individual

A rotação individual é um modelo no qual o aluno como indivíduo trabalha sozinho sem necessariamente passar por todas as estações de estudo.

Por exemplo:

Se você está realizando um curso em eletromecânica, pode optar somente pelas áreas que voltam para a eletricidade. Logo, o roteiro é personalizado pelo estudante, deixando ainda mais autônomo o método de ensino híbrido.

4. Sala de aula invertida

A sala de aula invertida é um método muito utilizado nas universidades.

O aluno estuda o assunto que será abordado antes das aulas presenciais. Com isso, ele já está mais preparado quando o professor expõe as ideias do tema que será estudado.

O professor, por sua vez, trata de questionar algumas pressuposições do conteúdo, observar se elas são corretas ou não e contrapõe sempre uma ideia diferente dentro do material que foi lido pelos alunos.

Além disso, a troca de experiência com a discussão de conteúdos vistos antes da aula é excelente para que o aluno desenvolva uma autonomia e um modo de pensar diferente na hora de obter seu conhecimento.

Assim, é possível que o aluno escolha o seu melhor modo de aprender.

—————–

Fonte: Hotmart

Autora: Barbara Santos

Compartilhe nas Redes Sociais!

Você pode gostar...

Deixe uma resposta