Os Males do Cyberbullying

    Estamos vivendo uma era de constantes avanços tecnológicos onde cada vez mais pessoas estão conectadas através de dispositivos com acesso a rede mundial de computadores, popularmente conhecida como “internet”. Diante de tantas inovações e novas formas de se comunicar, se torna perceptível o aumento de atos pejorativos praticados em grande parte por jovens em redes sociais e aplicativos de mensagens instantâneas.

    Essas ações que configuram uma espécie de agressão moral e psicológica, é uma adequação do tão conhecido bullying do mundo real para o universo virtual, a qual ganhou uma nova modalidade que atende pelo nome de cyberbullying, também denominado como “bullying virtual”, que é uma modalidade do bullying que utiliza os meios de comunicação mais modernos, atuais e avançadas tecnologias da informação para constranger, humilhar e maltratar suas vítimas. Esse novo tipo de agressão vem se intensificando entre jovens e adolescentes, causando danos emocionais nas vítimas que por muitas vezes não sabem como lidar diante da repercussão gerada por boatos, fotos constrangedoras que são postadas sem permissão, apelidos, comentários preconceituosos, e etc…

    Estudo realizado por cientistas da Universidade de Anglia Ruskin, na Grã-Bretanha, concluiu que o cyberbullying atinge 17% das crianças, adolescentes e jovens com idades entre 11 e 19 anos no país. Foram ouvidos 500 voluntários para o levantamento.

    Das 247 garotas questionadas pela equipe de acadêmicos, 60 (24%) disseram ter sido vítimas de cyberbullying. Entre os meninos, 27 (10%) revelaram sofrer do mesmo abuso. Do total de entrevistados, 66% admitiram ter sentido o problema na pele ou testemunhado alguém próximo sendo agredido via internet.

    Entre as vítimas do cyberbullying, um terço dos jovens disse que o bullying praticado nos meios digitais como redes sociais e aplicativos de mensagens instantâneas afeta a autoconfiança. Metade afirma que os episódios de violência comprometem sua saúde mental e emocional, tornando-se traumas levados até a idade adulta, que dificultarão o convívio daquele indivíduo em sociedade.

    É certo que se faz necessário uma mudança de mentalidade visando uma melhor compreensão do papel de cada um numa sociedade cada vez mais aproximada por intermédio dos meios tecnológicos. Hoje não existem mais distâncias físicas que impeçam a comunicação entre as pessoas, e é evidente que tudo o que postamos na rede mundial de computadores pode ser visto por qualquer pessoa a qual dela faz uso com uma abrangência a nível mundial.

    O que podemos fazer para que o cyberbullying venha a diminuir é adotar atitudes de respeito para com todos, não somente para com aqueles que nos relacionamos fisicamente, mas também na esfera virtual. O respeito é um dos valores mais importantes do ser humano e tem grande importância na interação social. O respeito impede que uma pessoa tenha atitudes reprováveis em relação a outra, pois é respeitando que seremos respeitados, onde vemos cada pessoa como um ser semelhante a nós, sem fazermos juízo de valor antecipadamente.

    Tanto o bullying como o cyberbullying devem ser combatidos através de campanhas de conscientização, debates em grupo, palestras e por uma boa educação que se inicia no seio familiar. Os pais tem um importante papel no enfrentamento do problema, seja orientando os filhos a não cometer tais atos para com seus colegas, como também sempre procurando saber o que se passa com seu filho quando se percebe mudanças comportamentais.

    Ensinar a seu filho desde pequeno a ter respeito por outras crianças irá desenvolver naquele indivíduo um comportamento adequado que permanecerá até a idade adulta, tornando-o uma pessoa mais humanizada na convivência com outros ao seu redor.

—————-

Autor: Claudio A R Santos

Compartilhe nas Redes Sociais!

Você pode gostar...

Deixe uma resposta